3º Encontro de Gastronomia, Cultura e Memória: Açúcares

29 de outubro de 2018, 08h00 até 30 de outubro de 2018, 17h00

Fórum de Ciência e Cultura, Rio de Janeiro, RJ

Informações

Sobre o evento

Quando Gilberto Freyre publicouAssucar: algumas receitas de doces e bolos dos engenhos do nordeste,ele teria, como nos conta Maria Leticia Cavalcanti, “escandalizado uma elite conservadora”. Nos anos 1930, não se esperava que um acadêmico como Freyre recolhesse receitas da doçaria brasileira com o intuito de publicar um livro, pois a doçaria era, naquela época, um assunto para as mulheres. Não que Freyre pensasse que a doçaria fosse muito diferente disso, ao que, inclusive, ele fez questão de deixar registrado, ao longo do livro, o que era a sua percepção sobre a associação das mulheres com a culinária. Foi pensando assim que mencionou “não há povo feliz quando às mulheres falta a arte culinária” e também ao dedicarAssucar“às mulheres brasileiras”. Mas para além dessa discussão sobre os gêneros na culinária e na cozinha, este estudioso da brasilidade procurou “defender-se” das críticas de seus contemporâneos com um pensamento de Machado de Assis, que dizia: “a publicação de um manual de confeitaria só pode parecer vulgar a espíritos vulgares” (FREYRE. Prefacio à 3aedição, p.30) e, assim, procurou liberar a doçaria dos preconceitos da época que a consideravam distante dos interesses eruditos.

Hoje, todo esse esforço nos parece curioso. Existem centenas de livros de receitas sendo vendidos nas melhores livrarias e já não são novidades as publicações que tratam das receitas prediletas deste ou daquele autor, escritor ou artista. Ainda assim, o açúcar continua a ser um assunto socialmente importante. Não obstante, esta importância se direciona aos sensos e sentidos do risco que os açúcares representam à saúde e/ou à estética. Aliás, na história da alimentação nenhum produto culinário foi mais desejado e mais vilanizado do que o açúcar. Neste âmbito, encontramos discussões radicalmente polarizadas tais como as que chegam a falar sobre aletalidadedeste alimento e aquelas que apontam para a sua valorização identitária e patrimonial dos seus diversos saberes e preparações artesanais.

Dada a importância deste alimento, dos seus produtos, transformações e matérias primas, nos domínios históricos, psicológicos, antropológicos, de suas memórias sociais e coletivas, bem como de sua presença nos rituais de hospitalidade, na formação de impérios e civilizações, também como alimento conforto ou coadjuvante no sistema capitalista, dentre tantos outros interesses, dedicamos o nosso III Encontro de Gastronomia, Cultura e Memória às discussões, apresentações e reflexões acerca dos amados e perigosos “açúcares”.

Vale explicar que estamos considerando dentro do termo genérico “açúcares” todos os produtos culinários dos principais carboidratos cristalizados como a sacarose, a lactose e a frutose ou, ainda, os seus extratos ou xaropes. Também as diferentes apresentações da sacarose – o açúcar refinado, cristal, glaçúcar, xaropes simples ou o xarope invertido etc. – e o mel, a beterraba e o milho: com os seus produtos e subprodutos. Por fim, serão aceitos para debates trabalhos que discutam as matérias primas, os produtos culinários (obviamente a doçaria) e as bebidas (em todas as suas versões) contendo um ou mais tipos de açúcares como ingrediente. Enfim, qualquer temática que aborde o fenômeno açúcar/açúcares será muito bem vinda ao nosso encontro de 2018.

Histórico e tema central

OIII Encontro de Gastronomia, Cultura e Memóriaé um projeto de extensão do grupo vinculado ao Projeto de Extensão “Pirapoca: o milho e a memória indígena na cultura alimentar brasileira”. Criado em 2014, por um grupo de alunos e professores do Curso de Gastronomia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, o Pirapoca visa divulgar e valorizar o milho nativo e as tradições dos povos indígenas brasileiros, nas quais o milho e a pipoca eram tradicionalmente usados em rituais e como adornos. Ao observar tais utilizações do milho como elemento simbólico e lúdico, o Pirapoca busca dar visibilidade e problematizar uma cultura do milho particularmente brasileira. Dentre as demais ações do grupo, encontram-se as oficinas lúdicas, realizadas em escolas da rede pública; a plantação de milho nativo; a construção da biblioteca virtual do milho e a consolidação do grupo de pesquisa, pautado pelo estudo da Gastronomia tendo como foco a Cultura e a Memória Social.

A partir destas áreas de saber, investigamos, além da “cultura brasileira em torno do milho”, que foi o tema do I Encontro, diversas temáticas em gastronomia. A escolha dos temas a serem abordados em nossos encontros é realizada por meio de formulários de avaliação que são enviados aos participantes do Encontro, após o término do evento. Foi assim que o nosso II Encontro tratou das “Cerâmicas, Potes e Vasilhames”, cujo livro, contendo os temas das palestras de 2017, dentre outros, será objeto de lançamento neste III Encontro de 2018. Com esta publicação damos continuidade aos nossos objetivos de divulgar e colocar em conexão os eventos e assuntos já discutidos com as novas abordagens e temas, sempre considerando o olhar e a abordagem dos assuntos escolhidos segundo diversas perspectivas e áreas de conhecimento.

Por fim, os objetivos desse Encontro incluem o diálogo com a sociedade e a criação de fontes de conhecimentos que possam contribuir para políticas de valorização dos alimentos brasileiros, seus artefatos, rituais e tradições, bem como dos profissionais gastrônomos, dos trabalhadores rurais, das populações e povos vulneráveis e da cultura alimentar brasileira. Buscamos também propiciar o intercâmbio, a interdisciplinaridade e multidisciplinaridade entre todos os campos de saberes que resultem na formulação de novos conhecimentos para o campo de Estudos em Alimentação e Cultura, entre outros.

Data do evento

29 de outubro de 2018, 08h00 até 30 de outubro de 2018, 17h00

Local do evento

Fórum de Ciência e Cultura

Avenida Rui Barbosa, 762

Flamengo, Rio de Janeiro - Rio de Janeiro